Você já deve ter sido impactado também, não?

A atual pandemia está causando grandes impactos que estão sendo sentidos pela população mundial. O fechamento de fronteiras, a queda das bolsas, cancelamento de eventos, população em isolamento e milhares de casos de morte, além da produção e cadeias globais de suprimentos sendo afetadas são algumas das consequências deste terrível momento da história.

Veja a seguir as principais consequências do avanço do coronavírus no setor automotivo:

Os impactos desta crise causada pelo novo coronavírus pode ser sentido em todos os setores, não somente no automotivo. Com o fechamento das fronteiras, os governos ampliando medidas restritivas, o aumento do dólar, queda nas vendas, redução de importações, a interrupção da produção industrial, a economia encontra-se em desaceleração global.

Para entendermos melhor como chegamos nesse ponto de crise da pandemia, vamos partir do princípio.

#1- Origem da doença

Tudo começou na China, mais especificamente em Wuhan, onde surgiu a epidemia de coronavírus. Os casos foram subindo rapidamente, e a Organização Mundial da Saúde foi alertada para monitorar e orientar como tratar os pacientes. O aumento desenfreado de casos de coronavírus e a disseminação global, resultou na decisão da OMS em declarar pandemia no dia 11 de março de 2020. Essa definição é considerada quando uma doença infecciosa atinge um grande número de pessoas espalhadas pelo mundo.

Até o último dia 20 de março a Covid-19 havia sido registrada em 176 países e territórios, no Brasil atingiu todos os estados. O país asiático, que foi o primeiro epicentro da pandemia de Covid-19, corresponde por 38% dos casos contabilizados pela OMS, o onde mais de 3.200 pessoas morreram. A Itália, o segundo epicentro da doença, já ultrapassou esse número, onde mais de 5.000 mortes já foram registradas.

Coronavírus

Impacto do coronavírus no setor automotivo

#2- O que é o coronavírus?

O coronavírus responsável pela doença Covid-19, faz parte de um grupo de vírus que causa infecções respiratórias em seres humanos e animais. Segundo os cientistas, o vírus é transmitido do animal para o seres humanos. Nos seres humanos, a transmissão do vírus acontece de uma pessoa doente para outra, por meio de gotículas de saliva através do espirro, tosse, toque ou aperto de mão e além de contato com superfícies contaminadas.

#3- Quais são os sintomas de COVID-19?

Uma doença respiratória que causa síndromes graves, como pneumonia. Seus sintomas mais comuns são tosse seca, febre alta e dificuldade para respirar, mas também podem ser sentidos outros sintomas como, cansaço, coriza, congestão nasal, dor de garganta, fadiga e diarreia. Em algumas pessoas infectadas nenhum sintoma é apresentado. Os grupos mais vulneráveis e suscetíveis a doença são os que apresentam baixa imunidade, entre eles os idosos, hipertensos, diabéticos e pessoas com doenças respiratórias crônicas.

#4- Como podemos evitar o contágio?

Ainda não existe uma vacina para proteger os humanos, mas os cientistas estão desenvolvendo testes contra o novo vírus, no entanto levará alguns meses para se tornar disponível.

Há maneiras em que você pode reduzir o risco de infecção, como: lavar as mãos com frequência com água e sabão ou higienizar com álcool 70%; evitar tocar os olhos, nariz e boca com as mãos “sujas”; ao tossir ou espirrar cobrir o nariz e a boca; não compartilhar objetos de uso pessoal como talheres, copos, pratos e toalhas; se estiver doente, evite contato físico com outras pessoas; mantenha higienizados objetos que utiliza com mais frequência, como celular; evite aglomerações e mantenha ambientes ventilados; se possível não saia de casa.

O avanço do Coronavírus tem colocado regiões inteiras em quarentena, pois é a forma mais eficaz encontrada até então para frear a disseminação da doença.

A epidemia levou os governos a determinar o fechamento de escolas, lojas e serviços não essenciais. No Brasil, o Estado de Santa Catarina foi o primeiro a criar o decreto para o fechamento de serviços não essenciais, após a confirmação de transmissão comunitária.

Impactos no setor automotivo brasileiro

Pelo mundo, são sentidos impactos no setor automotivo que vão desde o cancelamento de eventos à dispensa de funcionários pelas fábricas e montadoras.

Os desdobramentos da pandemia de COVID-19 já demonstraram o impacto real no PIB global. A China, local do primeiro epicentro da doença, é a segunda maior economia do mundo, e atualmente produz mais de 20% de todos os bens intermediários consumidos no mundo. Cerca de 30% do que exportamos tem como destino o país asiático, este sendo o principal fornecedor de insumos automotivos para o nosso país. Portanto, os choques na economia chinesa afetam diretamente nosso país.

A falta de peças para a montagem, por conta da interrupção da produção e redução de estoques na China, fez com que inúmeras montadoras diminuíssem a produção em nosso país. Como a cada instante a situação se agrava, muitas fabricantes até mesmo interromperam sua produção. Assim como a Ducatti na Itália, no Brasil, a Toyota, Honda e Renault suspenderam sua produção nesta semana. Outras montadoras, assim como fornecedores de peças automotivas, também deverão interromper suas atividades nos próximos dias.

No Brasil, o forte impacto vai poder ser visto na queda expressiva do fluxo de loja, por conta do isolamento social da população, uma das medidas tomadas pelo governo para evitar a propagação do vírus.

“Não temos como prever os impactos da paralisação na indústria. As medidas do governo para reduzir o impacto na economia poderão amenizar, mas nada substitui o consumo direto que faz girar o mercado.” Diz o consultor de mercado José Carlos Secco em entrevista ao site Carros.

Mesmo quando o auge da doença passar, o setor automotivo terá que lidar com a questão de mudança no comportamento de compra dos consumidores. A crise traz consigo o sentimento de medo, e esse por sua vez reflete no consumo, onde para se ter segurança financeira, será priorizado gastos com itens essenciais, como medicamentos e alimentos.
Por isso, nos próximos meses, a redução será drástica nas vendas de automóveis nas concessionárias.

E é neste momento de adequação, após todos os impactos do coronavírus no setor automotivo, que as empresas terão que ajustar seus investimentos com responsabilidade, mas, podendo aproveitar a oportunidade em que os consumidores buscam marcas confiáveis e seguras neste momento de crise e instabilidade.

Fique por dentro dessa e de outras notícias do setor automotivo acompanhando nosso blog e, não se esqueça, se puder, fique em casa!