As principais marcas estão aqui

Você sabia que existem cerca de 400 mil brasileiros milionários, pessoas com um patrimônio acima de um milhão de dólares? Essa estimativa foi revelada pela tradicional consultoria Newmark, dos Estados Unidos. É por isso que vemos tantas lojas com artigos de luxo, principalmente nas grandes cidades.
Como esse público costuma ter várias fontes de renda e investimentos no exterior, é muito mais difícil ser afetado por uma crise. A Porsche, por exemplo, passou “tranquila” pela pandemia e comercializou quase 3.000 unidades de janeiro até agora. Seu modelo mais barato custa a partir de R$ 415 mil!
Atualmente, o Brasil tem representações oficiais de 16 fábricas que vendem carros de luxo: Audi, BMW, Ferrari, Jaguar, Lamborghini, Land Rover, Lexus, Maserati, McLaren, Mercedes-Benz, Mini, Porsche, RAM, Rolls-Royce, Subaru e Volvo. Também existe uma grande rede de importadores independentes.

Um trabalho excelente e exigente

Diante de um mercado com tanta prosperidade, você pode imaginar a quantidade de oportunidades incríveis que existem para os mecânicos e donos de oficinas. Mas o desafio é grande: são carros com alta tecnologia (até os antigos) e os proprietários estão acostumados com o melhor do mundo.
A concorrência também é acirrada. Entre os reparadores, cada vaga aberta costuma ser disputada por vários candidatos. Nas oficinas a situação é ainda mais complicada: é preciso investir pesado nas instalações, compra de equipamentos e capacitação, mas cobrar menos do que as concessionárias.
Se você é um mecânico, pense em entrar no segmento premium por três caminhos: concessionárias, oficinas especializadas ou equipes de competição. Nosso automobilismo tem algumas categorias onde essas máquinas dominam, como a Endurance Brasil, Mercedes-Benz Challenge e Porsche Cup.

Passos decisivos para o sucesso

Agora que você tem uma ideia mais clara sobre as oportunidades e como se tornar um mecânico especializado em carros de luxo, vamos falar sobre a importância da capacitação. Como são modelos muito sofisticados, é preciso ir além do básico. Ter um curso completo de mecânica, domínio de eletrônica automotiva e inglês técnico é fundamental.

Mesmo após ser contratado por uma oficina ou equipe, será preciso dedicar bastante tempo para reforçar os conhecimentos e idiomas, inclusive investindo uma parte do seu salário sempre que necessário. Como a tecnologia avança muito rápido nesse setor, é fácil ficar para trás e até perder o emprego.
Se você tiver a meta de abrir uma oficina especializada, procure dominar a manutenção de uma única marca, para começar. Assim fica mais fácil comprar todas as ferramentas especiais, equipamentos e softwares. Outro ponto importante é formar uma boa rede de fornecedores de peças, inclusive no exterior.

 

Cada detalhe faz muita diferença

Como você pode imaginar, a manutenção de um veículo premium deve ser perfeita. Não existe espaço para improvisos ou pequenas economias. Até serviços básicos, como um conserto de pneu, alinhamento de direção ou troca de óleo pode dar uma grande “dor de cabeça” nesses modelos.
Um exemplo é o esportivo Audi R8. Dependendo do ano e versão, o sistema de lubrificação do motor chega a ter sete drenos. Para trocar o óleo é preciso remover várias tampas, depois abrir todos esses parafusos (com medidas e formatos diferentes), esperar o cárter esgotar e remontar tudo.
Outro caso complicado é o alinhamento de direção dos Mercedes-Benz mais luxuosos, como o Classe S. Nos carros mais novos, os sistemas de suspensão e direção contam com tantos recursos avançados que, além de ter um equipamento de última geração, o alinhador precisa conferir até a altura de cada roda.

A presença de sistemas autônomos

O mecânico especializado em carros de luxo também precisa conhecer as principais tecnologias de direção autônoma. Nos últimos anos, foram lançados vários modelos que estacionam de forma automática, evitam que os motoristas saiam das faixas de rodagem ou até são capazes de pilotar sozinhos.
Na hora da manutenção, é preciso ter um grande conhecimento, os equipamentos certos e uma atenção extrema para consertar esses veículos. Os radares, sensores e outros dispositivos eletrônicos que comandam a automação podem ser danificados ou perder a calibração ao menor descuido.
É uma questão tão séria que os países mais desenvolvidos estão atualizando os procedimentos das inspeções obrigatórias para avaliar o funcionamento desses sistemas. As associações de oficinas também estão exigindo um acesso total aos programas dos módulos, para fazer a manutenção correta.

É preciso unir técnica com gestão

Além de reunir todo esse conhecimento, após muitos anos dedicados à profissão, o mecânico que trabalha no segmento premium precisa ter uma postura diferenciada, não importa se for apenas um empregado ou o dono da oficina. Quem investe uma pequena fortuna num carro espera um atendimento especial.
Os profissionais de sucesso desse meio trabalham em oficinas bem montadas, limpas e organizadas. Para passar uma boa impressão e segurança aos clientes, atendem com os uniformes limpos, as mãos lavadas e sabem conversar. Nunca abusam dos termos técnicos, são objetivos e não falam gírias.

Os orçamentos precisam ser justos e detalhados. É um engano pensar que um rico não se importa em pagar mais por um serviço. Outra situação comum é quando o veículo faz parte de uma frota de diretoria e será preciso cumprir toda a burocracia da empresa. A oficina também deverá ter um seguro bem robusto.
Agora que você conheceu um pouco mais sobre o mercado de luxo, o que achou?